quinta-feira, 21 de junho de 2012

Souvenirs de Carcassonne


Salut, mes amis! 
Hoje vou escrever alguma coisa sobre minha viagem à Carcassonne - já tem algum tempo, mas tem coisas que nem ele consegue apagar da nossa retina. Embora eu sempre faça um diarinho de viagem, afinal nunca se sabe ;)
Carcassonne é uma cidade muito antiga - no ano 800a.C. a colina em que se situa já era um importante vilarejo de intercâmbio comercial; esta colina foi fortificada pelos romanos em 100a.C., dominada pelos sarracenos no séc. VIII e passou ao controle do conde de Trencavel no início do séc. XI. Na Idade Média foi configurada como ainda hoje a encontramos sobre a colina, sendo que mais recentemente a cidade nova se desenvolveu em seu entorno. Se situa no Languedoc, região sudoeste da França, uma região de cultura muito rica, devido às muitas influências que sofreu ao longo dos séculos. Região de fronteira com a Espanha, que chegou a ser ocupada pelos árabes quando os mouros dominavam a península ibérica; durante a Idade Média, foi o chamado "país cátaro", sendo o catarismo uma religião cristã que foi depois julgada herética pelo papa e brutalmente aniquilada em meados do séc. XIII, deixando contudo muitos rastros. Sempre foi muito independente em relação ao reinado central da França, o que incentivou e fez floresecer esta pluralidade cultural.
Enfim, saímos de Barcelona com destino à Carcassonne em um dia 19 de julho - pleno verão - sob um sol escaldante mas com um clima bastante úmido do litoral catalão e seguimos rumo ao clima seco do interior do  continente. É impressionante como a paisagem muda em poucos quilômetros de viagem! Até o lado espanhol da fronteira a vista é bastante árida, uma terra clara e bem seca, com uma vegetação parecida com a do cerrado: árvores baixas, retorcidas e espinhentas. Conforme se vai aproximando da França, aos pés dos Pirineus, os riachos tornam-se mais numerosos e a vegetação mais verde. Passamos por Perpignan e por uma região de lagos próximos à costa, com sentido à Narbonne, onde deixamos a A9 e tomamos a A61 com sentido à Carcassonne.
Chegamos na cidade pela parte velha, “La Cité Medievale”,  que é a porção turística da cidade, ainda protegida pelas velhas muralhas (les remparts), dentro das quais se situa o Hôtel de la Cité. A primeira e surpreendente visão que tivemos da Cité a parir da estrada foi dos torreões das muralhas. Que visão magnífica!

Passeio de charrete pelas remparts
 Deixamos o carro num estacionamento externo à cité, onde não entram carros particulares, apenas os couriers do hotel. Fizemos o check-in e tivemos outra agradável surpresa: o quarto também era magnífico. Após um breve “reconhecimento” do hotel, saímos para dar uma volta pela cidadela, pois já estávamos no meio da tarde e a Cathédrale de Saint-Nazaire, nossa programação para o dia, fecha às 18h00, embora o dia avance fácil até às 21h00 nesta época do ano. Visitamos a bela catedral construída em estilo gótico, em seguida o Château Comtal e demos uma volta completa no interior das muralhas, confirmando nossa primeira impressão de que a cité era mesmo linda.

Belos vitrais na catedral
O Château Comtal
Voltamos ao hotel, pegamos uma piscina para nos refrescar do calor de cerca de 40oC e descansamos um pouco antes do jantar.  Saímos para jantar no “Les Terrasses”, na Place Marcou, e embora estivesse calor, comi cassoulet acompanhado de um Château des Colombes 2008, um corbières quase preto, muito tânico e estruturado, depois de uma entradinha “levinha” de salada forrada com foie gras e foie de vollailes – justo eu, que não gostava de miúdos de aves; não até ir para a França, sabem como é... "preconceitos" que a gente conserva desde a infância.


Vistas do Hôtel de la Cité, com a catedral e o château ao fundo
Quanto à vinicultura, esta região é conhecida pela sua "flexibilidade", sendo a viticultura influenciada pelo estilo bordalês na sua porção mais ocidental, com influência atlântica, enquanto que nas regiões sul e leste recebe mais influência mediterrânea, tendendo então para as características da região do vale do Rhône. Na região se encontram solos argilosos, calcários, xisto, marga e arenito; o relevo acidentado proporciona todo nível de insolação. Lá se planta desde cabernet sauvignon, cabernet franc, merlot e malbec (côt), características de Bordeaux, até grenache, mourvèdre, syrah, cinsault e carignan. Existem também diversas variedades locais de uvas brancas, mas se planta também cepas internacionais mais difundidas, como a chardonnay, muscat e viognier. Os vinhos doces são importantes na região - os brancos baseados em muscat e o Banyuls, considerado o melhor vinho doce natural francês, feito de grenache noir. No início do século, era  a maior região produtora em volume de vinho barato, normalmente misturado com vinhos de outras regiões e países para ganhar cor e ser vendido ao proletariado francês. Nas últimas décadas, vem recebendo um maior cuidado para se limpar desta imagem, recebendo renomados produtores de outras regiões e até estrangeiros que buscam uma maior qualidade nesta região em que se plantando, qualquer uva dá. A grande quantidade de vinhos regionais (vin de pays) e apelações tabém é um atrativo para produtores que buscam a experimentação, o que está dando ótimos resultados, visto o Mas de Daumas Gassac, próximo à Montpellier, considerando um grand cru do Languedoc.

Videiras no pé das muralhas
Voltando à nossa estada, no dia seguinte descemos cedo para o nosso petit déjéuner no Chez Saskia, a brasserie do hotel. Se tratando de um café da manhã francês - digo isso porque na França os cafés nos hotéis são sempre mais "parcimoniosos" - estava ótimo, com uma boa variedade de pães, croissant, charcuterie, pain au chocolat, geleias, frutas e iogurtes. Saímos então rumo à Rennes-le-Château, um famoso destino esotérico e turístico nas montanhas do Languedoc, mas aí já é assunto para outro post. Voltamos para Carcassonne à tardinha, e enquanto a patroa foi descansar com a filhota, eu dei uma volta pelo lado externo das muralhas, entre o intenso movimento de turistas como eu. Voltando ao hotel, relaxamos um pouco na beira da piscina, tomando uma tacinha do famoso crémant de Limoux – para muitos, o primeiro vinho borbulhante já inventado, feito com a uva mauzac, exclusividade da região, chardonnay ou chenin blanc.

 
 
 

 

Vistas das muralhas, ruelas e a Porta de Narbonne
Fomos jantar na Place du Plo, no “Le Balthazar” e eu comi outro cassoulet (este levava cordeiro ao invés de pato) e desta vez eu pedi um vinho regional rosé encorpadão para acompanhar. As meninas comeram crèpes. Fui novamente dar uma volta para tirar umas fotas noturnas até a Pont Vieux, uma bela ponte de pedra – a vista da cité no topo da colina é de tirar o fôlego. Voltamos para dormir felizes com a certeza de termos passado dias memoráveis neste lugar de uma energia muito especial, e certos que no dia seguinte nossa viagem recomeçaria – agora rumo a Bordeaux.
La Cité vista do pé da colina
Desta estada, tiramos a conclusão que Carcassonne é mesmo um lugar inesquecível. Escrevendo este post me volta à mente esta linda e surpreendente vista da cité - afinal quem diria que no século XXI ainda a encontraríamos tão perfeitamente conservada, tal como um castelo das princesas (a Cité foi restaurada pelo arquiteto Eugène Violet-le-Duc, em meados do século XIX). Eu costumo brincar que nasci na época errada, pois adoro a época medieval, e pouco antes da viagem estava absorto em leituras de romances históricos sobre o graal, templários e cátaros, inclusive acabara de ler "Labirinto" de Kate Moss, uma história que se passa naquela região e isso reforçou minha paixão à primeira vista. Me lembro dos cheiros de ervas e lavanda, dos sabonetes e cosméticos de óleo de oliva, da culinária regional, dos vinhos, da simpatia e da receptividade de seus habitantes... Enfim, é um lugar para o qual voltaríamos com certeza - e espero que um dia retornemos mesmo.
Santé, mes amis! Et à bientôt!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Já que você suportou ler até aqui, por favor deixe sua impressão, comentário, sugestão, palpite, imprecação...