segunda-feira, 22 de abril de 2013

Initiales Blanc 2010 Domaine Rotier

Salut les amis!
Escrevo neste post sobre o belo Initiales Blanc 2010 do Domaine Rotier, prazer proporcionado pelo amigo Jean Claude Cara, do Éléphant Rouge, através do grupo "Les Amis de Jean Claude", com o qual ele armou uma parceria com o Empório Mundo, de Santa Catarina, e está trazendo maravilhosos vinhos franceses, vendidos a um preço mais que honestos.
A proposta de Jean Claude em ralação ao grupo é fazer uma seleção de vinhos franceses especiais, que se enquadram em sua filosofia de respeito ao terroir, às tradições e à ação da natureza, que componham vinhos autênticos, verdadeiros, com uma relação de custo/beneficio justa (ainda mais para nós aqui do Brasil, tão acostumados a tomar punhaladas na hora de comprar produtos de qualidade). Periodicamente ele seleciona três vinhos que harmonizam, respectivamente, com uma entrada, um prato principal e uma sobremesa e encaminha uma caixa contendo duas garrafas de cada rótulo e receitas para harmonizar, de maneira que os amigos do grupo os degustem e troquem suas impressões sobre cada vinho.
Nesta primeira remessa, além de um espumante rosé e um tinto, recebi o bonito aí de cima, um jovial vinho branco corte de 50% sauvignon e 50% loin de l'oeil, uva pouco conhecida por aqui. Produzido em Gaillac, comuna situada no département (estado) do Tarn, região dos Medio-Pireneus, sudoeste francês. O Domaine Rotier é composto de 35ha de vinhas, a maior parte localizada no lieu-dit de Petit Nareye, onde há registro de cultivo de uvas desde o séc. I a.C. Atualmente são aproximadamente 30% de cepas brancas. Em 1975 os pais de Alain Rotier compraram o domaine, e atualmente ele toca o negócio ao lado do cunhado, Francis Marre. Comercializam 170.000 garrafas de vinho ao ano.
Implantado sobre um solo pedregoso (graves) sobre o terraço aluvial do Rio Tarn, o terroir sofre a influência do Mediterrâneo, trazida pelo vento que percorre o vale do rio entre os baixos e altos Pireneus. Este vento seco e quente pode proporcionar bons períodos de seca durante o outono, o que favorece uma bela maturação das uvas tintas (syrah, braucol, duras, cabernet sauvignon e gamay, principalmente) e a concentração das brancas, particularmente a loin de l'oeil, que também pode sofrer a ação da podridão nobre, produzindo então vinhos doces. Atualmente o Domaine abandonou o uso da química na condução do vinhedo, adotando técnicas da viticultura biológica e está em vias da certificação biodinâmica.
Quanto ao Initiales Blanc especificamente, o vinho possui uma cor amarela muito clara com reflexos esverdeados, aromas de frutas cítricas e brancas (maçã verde, pêra), mineral e a grama cortada característica da sauvignon na França. Leve, muito fresco, a acidez muito equilibrada com a fruta e o álcool, que passa quase despercebido. 
Contrariando a proposta de harmonização do Jean (que sugeriu um tartare de salmão com maçã verde), preparei como entrda um ceviche de linguado e camarão - não coloquei muita pimenta, mas o coentro embotou um pouco o sabor do vinho, embora sua ótima acidez limpasse bem a boca harmonizando com o cítrico do ceviche. Contudo, o casamento perfeito se deu com o prato principal, um leve risoto de camarão e lula.

Já estou muito curioso para provar os outros vinhos da caixinha, a primeira prova já foi muito boa...
Santé!


2 comentários:

  1. Tenho que admitir que apesar de a cozinha ter ficado um caos, rsrsrs, a combinação foi perfeita! Tudo muito bom!!!

    ResponderExcluir

Já que você suportou ler até aqui, por favor deixe sua impressão, comentário, sugestão, palpite, imprecação...